Saiba como baixar todas as edições do Chrome

por Marcos Elias

Aproveitando o novo build Canary do Google Chrome, fica a dica para quem quer alternar a instalação principal para outro canal. Para o “principal” você pode escolher uma dessas:

E uma versão em desenvolvimento que pode ser instalada lado a lado com a estável:

Chrome Canary (versão Dev que pode ser instalada lado a lado com a principal)
http://tools.google.com/dlpage/chromesxs

Só uma observação: o Canary não pode ser definido como navegador padrão (ou pelo menos não tão fácil).

E para quem quer as compilações mais recentes de todas, que nem levaram a marca do Chrome ainda:

Snapshots do Chomium
http://build.chromium.org/buildbot/snapshots/

Para Windows é a pasta chromium-rel-xp. Vai ter várias pastas numéricas, procure baixar a que tiver como nome o maior número (que indica a versão mais recente). Se não funcionar você pode tentar baixar de outro número. Ali as versões são diárias!

Esses snapshots não têm instalador, basta descompactar e rodar.

Chrome Canary build: tenha uma versão mais recente do Chrome junto com a estável

por Marcos Elias, publicado no GdH

Na semana passada o Google anunciou uma compilação separada do Chrome do canal "dev", que sempre tem recursos fresquinhos – mas podem trazer alguns problemas.

Tradicionalmente o Chrome tem três "canais": o stable (normal), beta (contém atualizações recentes mas ainda não está finalizado) e dev (contém atualizações muito recentes e foi bem pouco testado, podendo ter problemas maiores também). Para alternar entre eles é um pouco chato, já que você só pode ficar com um canal de cada vez.

Para amenizar isso o Google lançou o Canary build, uma versão correspondente ao "dev" mas que é instalada separada do Chrome principal. Agora você pode ficar com o Chrome como navegador estável, ao mesmo tempo em que roda lado a lado uma versão mais recente. Se você gosta do Chrome, certamente é uma boa opção.

Por enquanto a nova compilação está disponível apenas para Windows, e pode ser baixada em:

http://tools.google.com/dlpage/chromesxs

Em recursos e número de versão ela é correspondente à do canal "dev", mas eventualmente o número pode variar dependendo das sincronizações e compilações adicionais necessárias para gerar o Canary.

Todas as atualizações, histórico e configurações do Canary ficam separados do Chrome principal. Atualmente o Canary marca a versão 6.0.477.0, e traz algumas mudanças visuais. Ele pergunta pelo buscador padrão ao ser aberto pela primeira vez, oculta o http:// da barra de endereços e tem a interface ainda mais minimalista, deixando o menu em um único botão:

Se você não quer instalar esse nem compilar o programa, uma outra possibilidade é baixar um snapshot recente do Chromium, a base open source do Chrome [comentei uma vez aqui no Explorando :)]. Ele tem várias compilações praticamente todo dia que não entram para o canal "dev". Navegue nas pastas em:

http://build.chromium.org/buildbot/snapshots/

Lá há subpastas para várias plataformas, para Windows é a que termina em rel-xp, tendo também para Mac e Linux. Os arquivos compilados estão compactados (zip) e não é necessário instalá-lo, basta extrair para uma pasta, rodar e, se não gostar, apagar a pasta.

Todavia o Canary pode ser mais interessante, já que permite rodar dois "Chromes" na mesma máquina com integração ao sistema operacional, mantê-los atualizados, etc. É também uma forma extra de usar mais de uma sessão com contas diferentes (como duas contas no Gmail ou Orkut, uma no Chrome principal e outra no Canary, por exemplo).

Mais: veja como baixar todas as edições do Chrome.

Tenha um Gmail de 20 GB quase de graça!

por Marcos Elias

7 GB no Gmail e 1 GB no Picasa ou Blogger é pouco? Sabia que você pode comprar espaço adicional? É, muito espaço por um pequeno preço!

Isso não é um anúncio, não ganho nada, é que é MUITO útil já que muita gente tem Gmail ou usa os serviços do Google – como Picasa, Blogger, etc.

Entrando na página:

https://www.google.com/accounts/PurchaseStorage

Você pode comprar espaço extra. Veja os preços atuais (julho de 2010), por ANO:

20 GB = $5
80 GB = $20
200 GB = $50
400 GB = $100
1 TB = $256

É muito barato!

O melhor é que o pagamento é anual, e você pode cancelar depois. Você paga $5 uma vez por ano pra ter 20 GB, não é $5 por mês (já ficou repetitivo, é que é barato mesmo).

Se cancelar vai perder as coisas? Não! Segundo o regulamento tudo o que você upar continuará lá, mas você não poderá carregar novas coisas enquanto sua conta estiver no plano gratuito (a menos que apague um tanto de dados e volte a usar o espaço gratuito, é claro).

Poxa vida, 5 dólares por ano não são nada, né? Dá menos de R$ 10!

Só que é necessário um cartão de crédito internacional. Se não tiver… Complica um pouco (se for muito essencial você pode fazer aquele cartão pré-pago, só que não acho interessante fazer um cartão pra gastar só $5 por ano, então pense bem).

O lado ruim desse plano é que ele não funciona para as contas de e-mail do Google Apps :( //se não sabe, então nem se preocupe: o Google Apps é para quem tem domínio personalizado com serviços do Google, seu e-mail é @suaempresa ou @seusite, não @gmail

Eu descobri depois de comprar 20 GB por $5. Todavia funciona para os outros serviços, posso usar normalmente no Picasa. Na página de gerenciamento você pode conferir o espaço usado e o restante:

https://www.google.com/accounts/ManageStorage?hl=pt_BR

Para quem quer um Gmail maior ainda (o meu vive nos 98%) vale MESMO a pena.

Se você só quer mais espaço de graça no Blogger, pode convidar outros autores :)

Por que Picão?

Normalmente assino em projetos da web com “Marcos Elias”. Mas existem vários Marcos Eliases. As pessoas vêem então o meu “Picão” e acham que é um nick que eu usava nos chats do UOL na adolescência. Hahaha. Quem dera fosse um nick. Eu seria zoado uma vez só. Mas não, é um sobrenome mesmo, vou levar meu Picão pra vida inteira.

Pronto. Descobriu o que é meu Picão? Tá satisfeito (a)? Só isso. Nunca quis esconder, algumas professoras e amigos me chamam na boa de Picão.

Não é Pição (como algumas atendentes de telemarketing insistem em perguntar). É Picão mesmo, aumentativo de p*ca (eu não censuraria por mim, é que tem ads, então fica chato).

Se não acreditar e quiser o RG… (mas o meu Picão verdadeiro é melhor do que o do RG :P)

Picão pode causar confusão. Ainda mais quando se troca uma letra. Meu Twitter é @uebe, meu abrasilhamento ou abrasilhação zueiro para “web”. Só que tem o @ueba (que eu nunca pensei que era quase igual ao meu Twitter, apesar de conhecê-lo a tempos kkk). Eis o que dá.

Existem vários Picões Brasil afora. Não sou o único, mas é raro. E ainda é meio estranho quando falo pruma atendente de telemarketing. Quando ela insiste se não é com “ç” eu tenho que soltar “não, é picão, aumentativo de p… mesmo”.

Sobrenomes… Coisas que a gente não escolhe, né? Tem a Fiat Fuck (como o BernaBauer diz, seria mais engraçado se fosse ao contrário rs). Acho que é um sobrenome alemão, mas não tenho certeza. Fuck Canoinhas, Fuck Guarapuava, Fuck São Bento do Sul, Fuck São Mateus do Sul. Veja a lista das concessionárias.

É bom saber que não estou sozinho. Já pensou se caso com alguma mulher com sobrenome Fuck? O que seria do nosso filho…

Atualização: se “Picão” que nem é tão “palavrão” (por causa da planta) já causa alguns comentários, o que dizer então das espanholas Ana Buceta e Veronica Boquete (jogue os nomes delas no Google)…

Como descobrir as senhas salvas no Google Chrome?

por Marcos Elias

Num post passado falei rapidinho de como ver as senhas salvas no Firefox… No Google Chrome também dá.

Vá em Ferramentas (a chave de boca…) > Opções > aba Coisas pessoais > botão Mostrar senhas salvas

Selecione a página e clique no botão Mostrar senha:

No Firefox ainda dá para criar uma senha mestra, que impede que veja as outras senhas sem ela, mas no Chrome parece que não tem essa opção ainda.

Nessa tela aí você também pode apagar as senhas dos sites salvas no Chrome, basta clicar no botão Remover tudo. E se por acaso você não mandou salvar para um site mas mudou de idéia e quer salvar (ou tinha clicado errado…) vá para a aba Exceções e remova o site desejado daquela lista.

Como criar retângulos com bordas arredondadas em CSS3

ATUALIZADO em 2010-07-26

por Marcos Elias

Eu não manjo tanto de CSS como gostaria, normalmente copio e colo o que preciso. É uma falha, preciso aprender, mas enquanto não separei um tempo para isso… Continuo no CTRL+C/CTRL+V. Vai aí então uma dica nesse estilo: colocar um quadro com bordas arredondadas!

Nas formas tradicionais precisaríamos usar imagens para as bordas. É chato, difícil de fazer e faz o HD do servidor ser chamado por 4 vezes a mais só pra mostrar as bordinhas (considerando que são 4 pontas, 4 imagens). Com o CSS3 (em desenvolvimento junto com o HTML 5, mas já suportado por alguns navegadores recentes…) a coisa muda. Ele tem métodos próprios para bordas arredondadas. Chega de gambiarras! E o melhor, chega de imagens totalmente gráficas (gif/jpeg/png) só pra mostrar um retângulo com bordas arredondadas.

Veja o exemplo de DIV com borda arredondada do CSS3:

Algum texto aqui…

O código para gerar isso:

<div style=”background-color: #98FB98; border-radius: 5px; -moz-border-radius: 5px; -webkit-border-radius: 5px; border: 1px solid #000; padding: 10px;”>algum texto aqui…<div>

Naturalmente, troque a cor de fundo em background-color e a cor da borda em border: 1px solid #000… Aumentando o valor do radius:

border-radius=10px

border-radius=15px

border-radius=50px

Agora com os estilos declarados fora da tag, e borda diferente…

Para o caso acima usei esse código:

<style tyle="text/css">
div.quadrinhoarredondadoexemplo {
    background: #FFFFE2;
    border: 1px dashed #bbb;
    margin-top: 10px;
    margin-bottom: 10px;
    padding: 5px;
    text-align: center;
    display: block;
    border-radius: 10px;
   -moz-border-radius: 10px;
   -webkit-border-radius: 10px;
}
</style>
<div class=quadrinhoarredondadoexemplo>Agora com os estilos declarados fora da tag, e borda diferente...</div>

Vai agora uma imagem (caso seu navegador não suporte isso e mostre as bordas quadradas):

O formato ainda não está pronto, mas como já é suportado pelo Chrome, Firefox, Opera e Safari, é deverá ficar. No começo os fabricantes de navegadores implementaram com modificações já que não tinham certeza (tentando ajudar, mas…). Então há o -moz-border-radius que serve para o Mozilla Firefox, e o -webkit-border-radius, do Webkit/Chrome/Safari. No futuro deverá ser apenas um “comando”: border-radius (sem o tracinho). Por via das dúvidas preferi colocar os três, mas só com o border-radius já deverá funcionar.

Veja no post do CSS3.info mais algumas bordas (arredondando apenas uma delas).

Ah, esqueci de falar. Se você usa IE (até o 8 pelo menos…) não vai funcionar, a borda vai ficar retangular mesmo. Particularmente não estou nem aí. Não faço layout para IE 6.0 (PQP, o IE6 é de 2001!), porque vou me preocupar com um navegador que é tecnicamente ruim (IE7, IE8…)? O IE9 parece que finalmente vai mudar isso. Testando os Platform Preview deu pra ver que até que enfim a MS se mexer. Não vejo a hora dele ser lançado, e tomara que o controle ActiveX do Windows use ele. Assim vou poder melhorar meus projetos que usam o IE “embeddado” :P [já que não consegui usar de forma satisfatória o Webkit nem o Gecko no Delphi/Lazarus – e não estou disposto a aprender C++ ou C# tão cedo]. Enfim, não desenvolvo para IE e pronto, a pessoa que use algo melhor. Prefiro recomendar o download do Firefox/Chrome/Opera do que gastar horas adaptando meu site. Talvez eu esteja errado, afinal a maioria dos leigos usam IE. Mas eles merecem apanhar um pouco pra ver o que é bom. Com todo respeito a quem usa o IE, não sei como aguentam – a velocidade de carregamento, abertura das abas, etc, é muito inferior aos outros navegadores.

Como embutir (embed) vídeo do YouTube em HTML 5

por Marcos Elias

UPDATE: veja o post oficial no blog da API do YT

Já faz algum tempo que o YouTube tem um player em HTML 5. Mas boa parte dos vídeos do YT são vistos “embeddados” em sites e blogs por aí… Só que o código do embed usa a tag object, que puxa o elemento em Flash. Ou seja, quando você usa ela para embutir um vídeo, não estará usando o HTML 5.

Se você faz questão de embeddar em HTML 5 sempre que possível, a dica é usar um iframe :D Isso mesmo, iframes, um quadro com uma página dentro (é muito usado para carregar publicidade).

O código ficaria:

<iframe src="http://www.youtube.com/embed/IDDOVIDEO" width="400" height="300"></iframe>

Onde “IDDOVIDEO” deve ser trocada pela ID do vídeo. Dessa forma ele detecta o navegador e sistema em uso. Se der para usar HTML 5, beleza. Se não der, usa o player em Flash.

Fica aqui um teste:

Ah, aproveite que o YouTube agora permite escolher a largura/altura do vídeo embutido, então você já tem uma “calculadora” antes de copiar. Mas não copie o embed tradicional, pegue os números da largura/altura apenas e modifique nos campos width e height do iframe.

A ID do vídeo é um código único para cada vídeo, o texto que fica depois do v= (e antes de algum &, se a URL tiver mais parâmetros). Veja abaixo a ID destacada:

http://www.youtube.com/watch?v=WpYjcxJrGn8

Ou:

http://www.youtube.com/watch?v=WpYjcxJrGn8&feature=featured

E como ficaria o código para esse vídeo:

<iframe src="http://www.youtube.com/embed/WpYjcxJrGn8" width="720" height="565"></iframe>

Uma última observação… É que parece que isso ainda está em beta, talvez só quem ativou o HTML 5 beta (entrando em youtube.com/html5) verá o vídeo com o HTML 5. Afinal no Safari não funcionou nem mesmo ativando a opção de HTML 5 no YouTube. O uso do iframe deve ser mais garantido para exibição em HTML 5 no futuro, já que o Google criará o player da melhor forma possível. Já o código object com a identificação de conteúdo em Flash deixa claro que só usará o Flash.

Ah, veja também outros motivos em que o HTML 5 fica beeem atrás do Flash.

Via Labnol.org

Facebook chega aos 500 milhões de usuários

Orkut? O que é isso? No mundo a popularidade do orkut é irrisória, a rede social mantida pelo Google só faz sucesso mesmo no Brasil e na índia. Enquanto isso… O Facebook cresce no mundo.

facebook

O site comemora a marca de 500 milhões de usuários. Atingiram 50 milhões em fevereiro de 2007, 100 milhões em agosto de 2008, e daí evoluíram aos 50 mi agora em julho de 2010.

Veja o anúncio em:

http://blog.facebook.com/blog.php?post=409753352130

Lançaram também a app Facebook Stories, onde os usuários podem contar suas histórias e compartilhá-las com os outros membros.

Seria interessante se o Google unisse Orkut + Buzz + Picasa + Grupos + Profile + YouTube num serviço só, com uma interface simplificada e integrada. Potencial para isso ele tem, mas enquanto os serviços ficarem fragmentados cada um vai fazer o seu sucesso, enquanto que outros – como o Orkut – não decolam mundialmente. #ficaadica

Via BBC e Mashable

Perguntas, respostas e sugestões sobre o Mondego Player

por Marcos Elias

Estou respondendo aqui a alguns comentários enviados sobre o Mondego Player… Os nomes das pessoas não serão divulgados, afinal isso foi prometido. Envie também a sua opinião!

O Mondego Player é um excelente player de áudio para Windows, porém com suas características e interface próprias – ele não tenta, em nenhum momento, imitar outros players. Se a pessoa quer uma janela grandona e ficar clicando nas músicas cada vez que for ouvir, continue com o Windows Media Player. Se quer inserir um CD e ver a lista de músicas ser apagada, ou se quer ver a lista ser apagada quando um programa externo abrir uma música no player padrão e o player for o Winamp e você gostar disso, continue com o Winamp. Enfim… Vamos às perguntas e respostas sobre o Mondego.

Ao clicar no play com uma música pausada, ela começa de novo, em vez de continuar de onde parou
Isso é verdade, o bug existe. Todavia, se clicar no botão pausar mais uma vez, ela continua de onde parou. Também funciona teclando a barra de espaço (com a janela principal do player ativa).

O som parece fraco e força demais os agudos
Não é verdade, creio que foi devido fatores externos. O som fica “puro”, se o equalizador estiver “zerado” não há problema. Experimente o player em outro computador ou com outra placa de som. Ele usa a configuração padrão da biblioteca Bass, puxando os codecs do Windows (ou do sistema em que estiver rodando, afinal penso em fazer uma versão pra Linux também). Muita gente elogiou o som, inclusive o pessoal do Baixaki, site que dispensa comentários. E também vários sites gringos (na página do Mondego há botões de downloads em sites gringos, onde ele recebeu 5 estrelas – de um máximo 5), mesmo considerando que a interface não está totalmente traduzida e há alguns erros de inglês.

Tem poucas rádios e não permite escolher novas rádios
Verdade e mentira, mais mentira. O Mondego não foi feito para ser um repositório de rádios. Ele apenas toca. Quem decide colocar as webrádios nele é você, usuário. Baixe os arquivos da playlist da rádio desejada e inclua nele. Ele abre PLS, então prefira as que tiverem versão pro Winamp.
Falta um pouco de trabalho na interface das rádios sim, como exibir um nome amigável em vez da URL (ou do IP). Mas o essencial funciona. Não adianta eu incluir 10 mil rádios que ainda vai ter gente que acha que está faltando a sua favorita. As rádios inclusas são basicamente para testar o programa. Muita gente nunca ouviu rádio em PC via internet. Tendo algumas inclusas é um começo. A partir daí, adicione as suas, pesquise, etc.
Penso em adicionar um “repositório de rádios” online, mas isso seria um “site” (pode até ter navegação dentro do programa), não é algo “essencial”. O player toca o que você adiciona. Será que se eu apenas linkar algum site de webrádios (como o Shoutcast) as pessoas parariam de me perguntar isso? rs

O skin é feio
Bom… Originalmente ele nem teria skins, então contente-se :P Brincadeira. Eu não sou um bom designer. Se alguém quiser criar um skin, fique à vontade. Se o skin for legal posso incluir no programa, e quem sabe até elaborar uma votação para decidir qual seria o padrão. A criação dos skins usa o SuiSkin, há um editor e é fácil abrir um skin atual. Eles são baseados em bitmaps. Mas seria muita coisa para explicar por agora.
Futuramente talvez o sistema de skin seja trocado (penso no Alphaskins, que tem suporte a PNG e transparências, efeitos suavizados, etc) e os skins atuais não funcionariam mais.
Todavia uma coisa digo desde já: não pretendo mudar a interface do programa radicalmente. Ele provavelmente vai continuar com as abas (divisão da playlist de músicas, rádio, favoritos, cd, etc), não vai imitar o Winamp nem o Windows Media Player, não vai imitar um sistema de som físico (acho uma tosqueira danada abrir um player e ele ter cara de microsystem, seria a mesma coisa que um Word ou melhor, Writer, ter cara de máquina de escrever). Se você quer um skin “bonitinho”, por agora, use outra coisa.
Definir um skin padrão é muito difícil, porque nem sempre ele agradará a todos. O atual skin padrão do Mondego foi pensado em ser “simples”, sem mudar muita coisa. Mas algum melhor poderá surgir no futuro. Ou não. (rsrs)

Ele será open source?
Talvez. Por agora, a versão para Windows, não. Por quê? Simples. Ele usa a biblioteca Bass, que é fechada. Se o Bass fosse open source, em retribuição ele seria open source. Mas o Bass é fechado. Quem sabe quando eu fizer a versão para Linux (provavelmente em Lazarus) ele será aberto. Existe o Bass para Linux, porém fechado também (gratuito para uso não comercial). Eu estudei sobre ele por um tempo, até fiz um player de demonstração de conceito com o Lazarus, mas não estou com tempo para portar o programa todo agora. Como usuário eventual de Linux uso o Mondego via Wine, porque não gosto de 99% dos players que existem para Linux :P Mas isso é questão de gosto mesmo. (se porventura você testar essa compilação para Linux, ao abrir aparece um erro mas apenas clique em OK; ele foi feito rapidinho só para ver se daria pra levar o Lazarus + Bass mesmo; e clique na tela dele com o direito para aparecer o menu!).

Ele será pago?
Não. Não posso me comprometer com isso no futuro, mas não pretendo fazer dele um software comercial. Sendo gratuito ele também pode ser uma porta de entrada para divulgação de outros produtos e sites meus.

Ele terá propagandas?
Talvez, mas jamais propagandas intrusivas. Jamais pop ups, janelas de propaganda que se abrem por cima dele, etc. Isso nunca, pelo menos no que depender de mim. Estou pensando numa forma de divulgar meus sites sem prejudicar o uso, sem ficar usando recursos online, etc. E de preferência, de forma que possa ser desativado. Talvez links na barra de status enquanto o texto dela estiver como o “default” (aka sem tocar música)?

Faltam presets do equalizador
Eu sei. É difícil estudar isso, estou tentando ver os valores de outros programas e adaptar, mas pode não ficar tão legal. Nas versões recentes é possível salvar a posição dos controles num arquivo, então você pode configurar como gostar e salvar seus “perfis”, depois carregar a partir do arquivo que salvou.

Exibição das músicas por pastas tipo o Explorer
Não pensei bem nisso ainda, mas pode ser. Uma tela ou seção para navegação por pastas do sistema, localizando as músicas dela. Vou ver alguma coisa a respeito.

Suporte a plug-ins?
Não penso nisso por enquanto. Quem sabe, “quem sabe”. Ele pode suportar plugins do Bass. É relativamente fácil suportar plugins do WInamp no Bass porque já tem muita coisa codificada para ele, mas pessoalmente a idéia não me parece tão boa. Quem sabe, quando o player estiver mais maduro… E eu tenha tempo de sobra. Eu fiz uma compilação que usava plugins DSP do Winamp (de efeitos), entre uns probleminhas aqui e ali funcionava, mas não dava pra distribuir porque várias coisas precisavam ser adaptadas e configuradas manualmente pelo usuário. Talvez um dia eu volte com isso. Deixo claro desde já que isso não é minha prioridade, não me atrai muito.

Quando sai a versão 1.0?
Não sei. Não me preocupo com isso. O que importa é o hoje, o agora. O Mondego funciona no estado em que se encontra. Amanhã provavelmente ele estará melhor do que é hoje, e bem melhor do que era ontem. Isso é o que importa. Adotei o esquema de rolling release, como falei no post sobre a última versão (292a).

O futuro do Mondego

Alguns pontos pessoais que deverão ser integrados ao Mondego uma hora ou outra:

  • Colunas na playlist com dados da música, como artista, álbum, duração, etc. Possibilidade de ordenar por esses dados. A playlist atual é uma lista simples, que para um “devpreview” feito por uma pessoa só até que não é ruim :P
  • Possibilidade de escolha da placa de som. Atualmente ele usa o dispositivo padrão (pra falar a verdade eu ainda não testei com duas placas de som… a minha onboard deve ser melhor que a offboard de uns 5 anos que tenho aqui, então nem instalei ela).
  • Possibilidade de playlists “temporárias”, sem perder a principal. Exemplo: você quer tocar todas as músicas de uma pasta, mas não quer limpar a playlist. Então você clica na aba da pasta desejada. Seria algo como playlists em “abas”, assim como se navega em abas nos browsers (salve NetCaptor, Opera, Netscape… os verdadeiros revolucionários!)

Eu fico feliz em ver que o Mondego já tem vários fãs. Não sei quantos usuários ativos simplesmente porque não monitoro. Não gosto de programas que monitoram, não monitoraria isso no meu (atualizações automáticas terá mas opcional, é claro, e o começo já foi feito… escolha Checar por nova versão no menu; mas monitorar todos os usuários, nem pensar). Mensagens de agradecimento aparecem a todo instante.

Como o Baixaki disse, o Mondego Player é um tocador de músicas desenvolvido em território nacional que merece respeito. Por mais incrível que isso possa soar, o Mondego pode, muito bem, bater de frente com players famosos e de renome. Eles que analisam milhares de programas não falariam isso sem saber. Muitos players pequenos existem, vários não levaram poucos meses de vida ou foram apenas projetos de estudo do desenvolvedor que ficaram largados. O Mondego, não. Ele veio para ficar. E mesmo se eu parar de trabalhar nele, ele já é melhor do que muito player 1.0, 2.0, 3.0 que existe por aí. Só para deixar claro, se eu parar de trabalhar nele provavelmente abrirei o código, mas creio que o código será aberto assim que for lançada a versão para Linux.

Gosto de destacar o review do Baixaki (não só por ser o maior site de downloads no Brasil) porque foram eles que escreveram. O do SuperDownloads fui eu (com limitação de caracteres e tal). Dos comentários que vejo na internet, para cada pessoa que critica negativamente umas 999 elogiam. É d+, e esperada alguma crítica, afinal o programa nem está “pronto”.

http://software.viamep.com/mondego/

Enfim, é isso por enquanto. Se ainda não conhece o Mondego, experimente! Fico orgulhoso até porque ele é meu primeiro programa de uso geral. Os outros (Mep Texto, principalmente) eram pequenos e/ou específicos, e não chegam aos pés do Mondego. Quem toca a música é a DLL do Bass, mas a DLL sem a interface não seria nada. Talvez, “talvez”, eu faça uma versão baseada no MPlayer no futuro, basicamente por ser open source e mais “livre”. Por enquanto dá para levar com o Bass. A licença do MP3 não preciso afinal ele usa o codec embutido no Windows, que já é licenciado para o usuário.

Duplo clique para abrir pastas e arquivos no KDE 4

por Marcos Elias

Se você vem do Windows (ou de algum outro sistema, até mesmo do Gnome…) e odeia a forma como o KDE4 abre os arquivos com um único clique… Então não está sozinho. Sempre usei Windows (digo, fui iniciado em informática com Windows) e não vejo porque abrir um arquivo com um clique único, já que prefiro dar um clique para selecioná-lo (e no KDE4 o clique único gera muitos acidentes :P). Enfim, seja qual for o motivo… Para trocar isso é fácil.

Vá nas opções do Dolphin (Configurações > Configurar Dolphin, algo assim, em inglês está Settings > Configure Dolphin). Na seção Navegação (Navigation) marque o item relativo ao duplo clique para abrir arquivos e pastas (Double-click to open files and folders).

O Dolphin, se você não souber, é o gerenciador de pastas e arquivos do KDE 4. Basta abrir alguma pasta que você estará nele (Home, Downloads, Imagens, etc), desde que o sistema que use esteja com a configuração padrão.